Josué Rockefeller

Escritor, roterista e engenheiro de software

Natureza – Roteiro, curta metragem

ago
16

INT. SALA DE ESCRITÓRIO – DIA – MANHÃ

JOÃO está de pé no meio da sala, olhando para alguns quadros pendurados na parede. Seu semblante denúncia um sentimento nostálgico. Focamos nos quadros. No primeiro, vemos uma foto de um senhor e um garotinho que estão extremamentes felizes e sorridentes.

Baixe o roteiro aqui

Translúcido – Roteiro, curta metragem

fev
19
          Termos de Roteiro                                                
                                                                           
          CAM: Câmera.                                                     
                                                                           
          FADE TO BLACK: A tela se fecha em preto, geralmente usado no     
          fim do episódio antes de aparecer os créditos.                   
                                                                           
          FADE IN: O surgir da imagem a partir de uma tela escura ou       
          clara, que gradualmente atinge a sua intensidade normal de       
          luz.                                                             
                                                                           
          ÂNGULO ALTO: Visão da câmera de cima para baixo.                 
                                                                           
          CÂMERA SUBJETIVA: Visão a partir dos olhos do personagem.        
                                                                           
          POV: O ponto de vista do personagem. É mostrado o que ele        
          vê. Durante o ataque de um assassino o ponto de vista da         
          vítima pode ver mãos enluvadas avançando em sua direção.         
          Isso é mostrado com as mãos avançando em direção à lente da      
          câmera.                                                          
                                                                           
                                                                           
          EXT. AVENIDA - DIA - MANHÃ                                       
                                                                           
                                                               FADE IN     
                                                                           
          Barulho de trovão. A CENA surge lentamente. ÂNGULO ALTO, um      
          HOMEM está parado entre uma multidão de pessoas, as quais        
          movimentam de um lado para outro, apressadas, preocupadas e      
          perdidas em seus pensamentos. CLOSE-UP em seu rosto, os          
          respingo de chuva escorrem pelo rosto do Homem, ele              
          permanece alí parado por alguns instantes.                       
                                                                           
          CÂMERA SUBJETIVA, o Homem observa as pessoas passarem na sua     
          frente. Volta para CLOSE-UP, o Homem pisca os olhos em SLOW      
          MOTION e sai do quadro. Lentamente a CAM se move para cima,      
          revelando os pingos de chuva caindo do céu.                      
                                                                           
                                                                           
          INT. LANCHONETE - DIA - MANHÃ                                    
                                                                           
          O Homem entra na lanchonete e caminha até o balcão, onde há      
          um ATENDENTE, que veste uma camisa branca, com listras           
          amarelas e uma calça jeans. Dentro da lanchonete há algumas      
          pessoas, que tomavam café tranquilamente, mas ao verem o         
          Homem entrar; elas olham para ele de forma repulsiva.            
                                                                           
                              ATENDENTE                                    
                    O que vai querer?                                      
                                                                           
          As pessoas voltam para as suas atividades.                       
                                                                           
                                                                           
                                                                           
                                                           (CONTINUED)     
          CONTINUED:                                              2.       
                                                                           
                                                                           
                                                                           
                              HOMEM                                        
                    Um copo de café, por favor.                            
                                                                           
          O Atendente prepara o café e entrega ao Homem.                   
                                                                           
                              ATENDENTE                                    
                    Deu dois reais.                                        
                                                                           
          O Homem retira uma nota de dez reais do seu bolso e coloca       
          em cima do balcão.                                               
                                                                           
                              ATENDENTE                                    
                    Desculpe, mas não aceitamos                            
                    pagamento em cédulas, apenas                           
                    cartão.                                                
                                                                           
                              HOMEM                                        
                    Mas não tenho cartão de crédito,                       
                    não uso isso.                                          
                                                                           
                              ATENDENTE                                    
                    É política de empresa.                                 
                                                                           
          O atendente dar de ombros e pega o copo de café. O Homem sai     
          da lanchonete.                                                   
                                                                           
                                                                           
          DO LADO DE FORA                                                  
                                                                           
          Ainda chove. O Homem coloca o seu capuz, enfia as mãos nos       
          bolsos da calça e caminha pela calçada, até parar em frente      
          a uma vitrine de uma loja de roupas.                             
                                                                           
          (POV) pelo vidro, ele vê uma linda mulher dentro da loja,        
          ela conversa e sorrir graciosamente com uma outra mulher. O      
          Homem a observa por alguns instantes, mas volta caminhar         
          pela calçada.                                                    
                                                                           
          (POV) Algumas pessoas passam por ele. As pessoas caminham        
          como zombis, e não despregam os olhos das telinhas               
          brilhantes em suas mãos. O Homem olha para um outdoor            
          digital, em um prédio do outro lado da rua. No outdoor está      
          passando um comercial de carro. Quando a propragrando acaba,     
          DOLLY IN uma legenda surge "Compre um carro e seja feliz". O     
          Homem volta caminhar pela calçada. Logo a frente.                
                                                                           
          (POV) Ele vê alguns policiais espancando alguém um beco. O       
          Homem para, mas não faz nada, ele volta a caminhar pela          
          calçada, até parar em um semáfaro. O Homem por alguns            
          instantes, pois o sinal ainda está vermelho para os              
          pedestres passarem. Algumas pessoas se arriscam e tentam         
          atravessar a pista, uma delas quase foi atropelada.              
                                                                           
                                                                           
                                                                           
                                                                  3.       
                                                                           
                                                                           
                                                                           
          EXT. ENTRADA DE UM SHOPPING CENTER - DIA - MANHÃ                 
                                                                           
          O Homem se depara com um MENDIGO sentado perto da entrada       
          do Shopping. O mendigo pedia esmola para as pessoas que         
          passavam, mas elas não o notava. O Homem para olha para         
          ele, retira uma nota de dez reais do bolso.                      
                                                                           
                              HOMEM                                        
                    Tome, é tudo que tenho.                                
                                                                           
          O Homem entrega a nota de dez reais ao mendigo.                 
                                                                           
                              MENDIGO                                     
                    Deus te pegue amigo.                                   
                                                                           
                              HOMEM                                        
                    Deus não me deve nada, mas creio                       
                    que essa nota talvez seja inútil,                      
                    pois ninguém aceita mais dinheiro,                     
                    a não ser que tenha um cartão.                         
                                                                           
                              MENDIGO                                     
                    Agradeço a preocupação, mas vou                        
                    fazer bom proveito dela.                               
                                                                           
          O Homem segue para entrada do Shopping.                          
                                                                           
                                                                           
          INT. SHOPPING - DIA - MANHÃ                                      
                                                                           
          Ao entrar no Shopping, o Homem nota que todos andavam como       
          zombies, olhando para um telinha brilhante em suas mãos.         
          Algumas sorriam para a telinha, outras se entristecem. A sua     
          esquerda, há dois casais sentados em uma mesa, mas ambos         
          olhavam para as telinhas em suas mãos, estavam tão pertos,       
          mas pareciam estarem distantes um do outro. Nas lojas, as        
          pessoas abarrotavam as mãos com sacolas de compras.              
                                                                           
          CAM foca em uma vitrine numa loja do segundo andar, há uma       
          placa de promoção. Dentro da loja, as pessoas correm de uma      
          lado para outro, esfomedas, selvagens; faziam de tudo para       
          pegar uma peça de roupa ou um par de sapatos primeiro.           
                                                                           
          Caminando pelo Shooping, o Homem vê banners, placas,             
          televisores, nos quais todos tem algo em comum. Publicidade      
          de produtos ou viagens, que sempre há uma imagem de pessoas      
          ou grupos, que esboçam um largo sorriso em seus rostos.          
                                                                           
          Ele sobe em uma escada rolante, indo parar na área de            
          alimentação. Entre todos na quele recinto, apenas um estava      
          sentado em uma mesa ao fundo do salão. Este não estava           
          comendo e nem havia motoados de sacolas de compras ao seu        
          lado, ou estava encarando uma telinha brilhante nas mãos,        
                                                                           
                                                           (CONTINUED)     
          CONTINUED:                                              4.       
                                                                           
                                                                           
                                                                           
          ele está apenas sentado, observando. A outra pessao o            
          encara, o Homem fica pasmo, pois a imagem a sua frente, era      
          a dele mesmo.                                                    
                                                                           
                                                                           
          INT. APARTAMENTO COMUM - SALA - NOITE                            
                                                                           
          É uma apartamento modesto, não há muitos móveis, apenais um      
          sofá, uma pequena mesinha de vidro no centro e uma instante      
          com livros ao lado da porta. O Homem entra e se senta no         
          sofá.                                                            
                                                                           
          CLOSE UP no rosto do Homem, ele fica imóvel, pensando sobre      
          o seu dia. ZOOM-IN lento, os olhos do Homem lacrimejam, fios     
          de lagrimas escorrem lentamente pelo seu rosto. O Homem          
          pisca.                                                           
                                                                           
                                                          FADE TO BLACK   
                                                                           
                                                                           

O Julgamento – Roteiro, curta metragem

dez
22

FADE IN

EXT. PRAÇA DE UMA CIDADE – DIA – TARDE

LUANA está correndo pela praça. A praça está bastante calma, só algumas pessoas que caminham distraídamente. LUANA decide parar de correr e vai até um bebedouro, ela sacia a sua cede e volta a correr. Depois de algum momento correndo, LUANA desacelera e caminha pela calçada. Um caminhão surge do nada e atropela LUANA. A tela escureçe, luana acorda e se levanta. LUANA sente flutuando, ela olha para baixo e se depara com o seu corpo caído no chão.

LUANA

O que aconteceu, por que o meu corpo está caído no chão?

LUANA começa a ser puxada para baixo da terra.

INT. CENTRO DA TERRA – DIA – TARDE

LUANA está sendo sugada para o mais profundo abismo. LUANA passa por vários locais, onde há pessoas sendo torturadas, pessoas gritando e pedindo socorro.

LUANA

Ai meu Deus! O que está acontecendo?

Outro apagão acontece, a tela escureçe.

INT. CENTRO DA TERRA – sala – dia – tarde

A tela clarea e LUANA está sentada na cadeira, em uma sala branca e imensa. Nesta sala, há mais outras duas cadeiras. A claridade da luz irrita os olhos de LUANA, ela precisa colocar as mãos na frente da luz para poder ter uma visão melhor do recinto. Depois de algum momento, ela vê um homem entrando com uma maleta na mão, por uma portinha pequena, a visão de LUANA ainda está ofuscada, mas aos poucos a figura do homem, vai se tornando cada vez mais nítida.

LUANA

Quem é você?

HOMEM

Meu nome é ANTÔNIO, o seu advogado.

ANTÔNIO é um homem elegante, veste paletó e gravata elegante, cabelos bem penteado, roupas engomadas e está na caso dos 30. Ele coloca a sua mala na mesa, puxa a cadeira e se senta.

LUANA

Meu advogado? Mas para quê?! Do que eu fui acusada? Não estou entendendo nada. Onde estou?

ANTÔNIO

Ha! Ha! Ha! Luana, Luana… Ainda não notou? Bem vindo ao inferno!

ANTÔNIO esboça um largo sorriso eu seu rosto.

ANTÔNIO

Gosta de M&M?

ANTÔNIO retira um saquinho de M&Ms do bolso de seu paletó.

LUANA

Não! O quê, meu Deus, eu estou morta?

ANTÔNIO

É Isso aí.

ANTÔNIO retira alguns papeis da maleta.

ANTÔNIO

Ahhh! Bom, vejamos.

Ele folheia alguns papeis.

ANTÔNIO

Luana, Luana, parece que você foi uma má menina quando estava viva. Corrupção, mentiras, lavagem de dinheiro, etc, etc… Até sadomasoquismo! Você está sendo acusada de sadomasoquismo?! O chifrudo não perdoa nada mesmo.

LUANA

Eu não entendo, eu me comportei bem, eu fui uma boa pessoa. Doei dinheiro para os pobres, criei uma ONG e ajudei a gerar muitos empregos. Estou sendo acusada injustamente, sadomasoquismo?! O que é isso? – Disse Luana, fios de lágrimas escorrem pelo seu rosto.

O ANTÔNIO dar de ombros.

ANTÔNIO

Bla, Bla, Bla. Todos dizem a mesma coisa, minha cara.

ANTÔNIO pega alguns M&M do saquinho e joga na boga.

ANTÔNIO

Tem certeza de que não vai querer um desses?

LUANA começa a chorar.

ANTÔNIO

Eu acho que já sei qual é o seu problema. Você está sofrendo de um distúrbio de realidade distorcida.

LUANA

Como assim?

ANTÔNIO

É o seguinte, algumas pessoas mentem tanto, mas tanto mesmo, que acabam desenvolvendo uma realidade paralela para sustentar a própria mentira. Resumindo, você caiu na própria mentira.

ANTÔNIO sorrir e come mais alguns M&Ms.

LUANA

Isso me parece injusto, você não deveria ser o meu defensor?

ANTÔNIO

Não vem me falar de justiça! Eu também vim parar aqui, agora o meu castigo eterno, é ser advogado!

LUANA

Isso não me parece ser um castigo.

ANTÔNIO

Eu preferia ser torturado.

LUANA

O que você fez para vim parar aqui?

ANTÔNIO

Não parece óbvio?! Eu era advogado.

De repente, a sala escurece e surge uma nuvem negra. Desta fumaça, sai uma CRIATURA horrenda, ela possui os olhos largos, cabeça pontuda e chifres de bode.Luana grita desesperadamente.

LUANA

Que criatura horrível! Você é o demônio?

DEMÔNIO

Sim, sou o rei do inferno. Peço desculpas, eu não tinha a pretensão de assusta-la.

O DEMÔNIO caminha até onde o ANTÔNIO está sentado e senta na cadeira ao lado.

DEMÔNIO

Eu não entendo, Antônio, por que todos sempre se assustam ao me ver? Eu sou tão feio assim?

ANTÔNIO

Não Belzebu, as pessoas que são preconceituosas mesmo.

LUANA fica pasma, seu semblante é de incompreensão do que estava contecendo e medo.

DEMÔNIO

Mas eu te entendo Luana, você é como todos os humanos, teme o que não conhece. Humm! Isso é M&Ms?

ANTÔNIO

Sim, quer?

O DEMÔNIO pega um M&M, joga na boca, mastiga lentamente e encara a LUANA, por alguns instantes.

DEMÔNIO

Senhorita.

O DEMÔNIO verifica os papeis na mesa.

DEMÔNIO(cont’d)

Você sabe porque está aqui?

LUANA

Não, eu fui acusada injustamente.

O DEMÔNIO olha para ANTÔNIO, e os dois soltam uma gargalhada.

DEMÔNIO

Certo, todos são acusados injustamente. Já estou farto de ouvir essas desculpas, esfarrapadas!

ANTÔNIO

Luana, você pode fazer um acordo!

LUANA

Se isso for me livrar desse lugar, então eu quero fazer um acordo.

O DEMÔNIO coloca os pés na mesa e cruza os braços.

DEMÔNIO

Veja bem, minha cara! Você tem acusações muito sérias. Será difícil conseguir um acordo! Há não ser que, você tenha alguma coisa para nos oferecer?!

LUANA

Agora eu me lembrei!  Trabalhei com um gênio da política. Se ele cair, levará uma horda inteira de políticos corruptos com ele. Ele é um peixe grande!

O DEMÔNIO olha para o ANTÔNIO. ANTÔNIO oferece outro M&M para o DEMÔNIO, ele come outro M&M.

DEMÔNIO

Curioso… agora você lembrou de tudo?

LUANA

Sim, era responsável por finalizar os acordos com os políticos que ele comprava, e alguns agrados a mais…  O cara foi um ditador, sem derramar um pingo de sangue. Ele foi capaz de dominar todos os três poderes do estado, governou o país por dois mandatos seguidos. É a pessoa mais paciente, calculista e persuasiva que conheço. Eu posso traze-lo até vocês.

O DEMÔNIO pensa por alguns instantes.

DEMÔNIO

Muito bem, você tem uma semana para cumprir o trato! Se você nos trazer esse peixe grande, nós a liberamos, limpamos a sua fixa e você terá uma segunda chance para recomeçar.

LUANA

Muito obrigada! Obrigada, obrigada, obrigada!

O DEMÔNIO avança em LUANA e começa a soca-la no peito.

DEMÔNIO

Acorda! Acorda! Acorda!

LUANA ouve vozes de um MÉDICO.

MÉDICO(V.O)

Três, dois, um, afastem-se! Acorda!

INT. quarto de hospital – noite

O MÉDICO preciona o desfibrilador no peito de LUANA, ela desperta repentinamente, gritando e assustada. Uma enfermeira observa os batimentos do coração de LUANA, em uma áquina ao lado da cama em que LUANA está.

ENFERMEIRA

Sinais de batimentos se estabilizando, DOUTOR.

DOUTOR

Aplique alguma coisa nela para ela se acalmar.

A ENFERMEIRA pega uma seringa e aplicar em LUANA. LUANA observa ao redor, ela está em um quarto de hospital, LUANA está toda enfaixada. A enfermeira liga a TV do quarto. Luana olha para a TV, na programação está  passando uma propaganda eleitoral, na qual um político empertigado diz:

POLÍTICO BARBUDO(V.O)

Eu prometo varrer os corruptos do país!

Tudo se silência, a CÂMERA foca no rosto de LUANA, um sorriso maléfico surge na face do seu rosto e LUANA adormece.

FADE OUT